quarta-feira, 30 de abril de 2008

TRATAMENTO - Como é tratado o Transtorno Bipolar?

Muitas pessoas com transtorno bipolar até mesmo aquelas com as formas mais graves podem obter uma estabilização considerável de suas oscilações do humor e dos sintomas relacionados por um tratamento apropriado.

Como o transtorno bipolar é uma doença recorrente, o tratamento preventivo prolongado é fortemente recomendado e quase sempre indicado. Uma estratégia que combine medicação e tratamento psicossocial é ótima para o controle do transtorno ao longo do tempo.

Em muitos casos o transtorno bipolar é controlado muito melhor se o tratamento for contínuo que se ele for intermitente. Ainda que não haja interrupções na continuidade do tratamento, porém, podem ocorrer alterações do humor, que devem ser relatadas imediatamente a seu médico. O médico pode conseguir impedir um episódio franco, fazendo ajustes no plano de tratamento.

Cooperar estreitamente com o médico e comunicar-se francamente quanto a dúvidas e opções relativas ao tratamento pode fazer uma diferença na eficácia do tratamento. Além disso, manter um registro dos sintomas afetivos diários, tratamentos, padrões de sono e eventos vitais pode ajudar pessoas com transtorno bipolar e seus familiares a compreender melhor a doença. Esse registro também pode ajudar o médico a acompanhar e tratar mais eficazmente a doença.
Fonte: ABP (Associação Brasileira de Psiquiatria)

INFORME-SE: Transtorno Bipolar (Fonte: Associação Brasileira de Psiquiatria)

ABP Comunidade :: Responsabilidade Social

CAMPANHA - Na tela: combate ao estigma em saúde mental

Rede Globo veicula campanha produzida pela Associação Brasileira de Psiquiatria através do programa ABP Comunidade

É bastante provável que, quando ler este texto, você já tenha assistido ao vídeo da campanha “Eu tenho”, produzido pela Associação Brasileira de Psiquiatria e veiculado pela maior rede de televisão do país. A rede Globo mantém em sua grade de programação o espaço Globo Comunidade, que promove a inserção de pequenas peças educativas sobre temas de interesse público.

O vídeo, que foi apresentado na Assembléia de Delegados de 2007 e na abertura do XXV Congresso Brasileiro de Psiquiatria, em Porto Alegre, enfatiza que os transtornos mentais são freqüentes, tratáveis e devem receber atenção como todas as outras doenças. A campanha foi produzida pelo Programa ABP Comunidade e teve colaboração de médicos, pacientes e profissionais de comunicação.

Segundo o presidente da ABP, João Alberto Carvalho, a exposição da campanha é benéfica principalmente para os pacientes. “O projeto foi aceito de imediato pela direção da emissora. Isso mostra como começa a existir uma percepção sobre a importância da saúde mental no Brasil”. O acordo, feito sem custo algum para a ABP, prevê no mínimo 15 inserções diárias em rede nacional.

O gerente de projetos sociais da rede Globo, Flávio Oliveira, foi o responsável pela análise do material enviado pela ABP. Ele comentou o conteúdo da campanha. “Ficaremos felizes em poder contribuir com o combate ao estigma. Espero que tenham sucesso na iniciativa”, declarou.

O vídeo, em trinta segundos, profissionais de diversas áreas falam: “eu tenho”. O locutor explica a alta incidência dos transtornos mentais e a importância de procurar atendimento. O vídeo termina de forma esclarecedora: “Não tenha receio de procurar ajuda. Você tem o direito de ser feliz”.

Clique aqui e assista ao vídeo da campanha “Eu tenho”

terça-feira, 29 de abril de 2008

Alguns números relevantes sobre o Transtorno Bipolar:


- Estima-se que cerca de 15 milhões de brasileiros sejam portadores dão Transtorno Bipolar.


- Estima-se que 1% à 3% da população mundial seja portadora do Transtorno Bipolar.


- 50% dos portadores apresentam pelo menos um familiar afetado, e filhos de portadores apresentam risco aumentado de apresentar a doença, quando comparados com a população geral.


- Dados da Organização Mundial de Saúde, ainda na década de 1990, evidenciaram que o transtorno Bipolar foi a sexta maior causa de incapacitação no mundo.


- Estimativas indicam que um portador que desenvolve os sintomas da doença aos 20 anos de idade, por exemplo, pode perder 9 anos de vida e 14 anos de produtividade profissional, se não tratado adequadamente.


- Estima-se que até 50% dos portadores do Transtorno Bipolar tentem o suicídio ao menos uma vez em suas vidas e 15 % efetivamente o cometem.


- Doenças clínicas como obesidade, diabetes, e problemas cardiovasculares são mais freqüentes entre portadores do Transtorno Bipolar do que na população geral.


- Maior associação com a dependência de álcool e drogas não apenas é comum (41% de dependência de álcool e 12% de dependência de alguma droga ilícita), como agrava o curso e o prognóstico do Transtorno Bipolar, piora a adesão ao tratamento e aumenta em suas vezes o risco de suicídio.

Fase MANÍACA . Essa fase eu entendendo um pouco mais...

Alguns sintomas desta fase:

-O estado de humor está elevado podendo isso significar uma alegria contagiante ou uma irritação agressiva.

-Elevação da auto-estima.

-Sentimentos de grandiosidade podendo chegar a manifestação delirante de grandeza considerando-se uma pessoa especial, dotada de poderes e capacidades únicas como ser 'Santa' por exemplo.

-Aumento da atividade motora apresentando grande vigor físico.

-Diminuição da necessidade de sono.

-O paciente apresenta uma forte pressão para falar ininterruptamente, as idéias correm rapidamente a ponto de não concluir o que começou e ficar sempre emendando uma idéia não concluída em outra sucessivamente.

-O paciente apresenta uma elevação da percepção de estímulos externos levando-o a distrair-se constantemente com pequenos ou insignificantes acontecimentos alheios à conversa em andamento.

-Aumento do interesse e da atividade sexual.

-Perda da consciência a respeito de sua própria condição patológica, tornando-se uma pessoa socialmente inconveniente ou insuportável.

-Envolvimento em atividades potencialmente perigosas sem manifestar preocupação com isso.

-Podem surgir sintomas psicóticos típicos da esquizofrenia o que não significa uma mudança de diagnóstico, mas mostra um quadro mais grave quando isso acontece.


Exemplo de como um paciente se sente:

"Eu me sentia muito bem, realmente ótima. Na verdade quase invencível. Eu me sentia sem limites para minhas capacidades e energia. Poderia até passar dias sem dormir. Ficava cheia de idéias, planos, conquistas e me sentia super frustrada se a incapacidade dos outros não me deixasse ir além. Mal acabava de expressar uma idéia e já estava falando de um outro assunto. Em alguns momentos ficava aborrecida para valer. Mas com a mesma rapidez que ficava aborrecida, esquecia o ocorrido negativo como se nunca tivesse acontecido nada. Não ficava intimidada com qualquer forma de ameaça, não reconhecia qualquer forma de autoridade ou posição superior a minha."

DICA ESPERTA! Para quem gosta de pesquisar ...


Se você que tem interesse de obter mais informações ou mesmo quer pesquisar um pouco mais sobre a bipolaridade seguem duas associações e seus site:

- Associação Brasileira de Psiquiatria (ABP) www.abpbrasil.org.br
- American Psychiatry Association (APA) www.psych.org

Qual a CAUSA da Bipolaridade?


A causa propriamente dita é desconhecida, mas existem vários fatores que influenciam ou que precipitem seu surgimento como: parentes que apresentem esse problema, traumas emocionais, incidentes ou acontecimentos fortes como mudanças, troca de emprego, fim de casamento, morte de pessoa querida.

Em aproximadamente 80 a 90% dos casos os pacientes apresentam algum parente na família com transtorno bipolar. Sabe-se que os atores biológicos, genéticos, sociais e psicológicos somam-se no desencadeamento da doença.

Transtorno Afetivo Bipolar = Trantorno Bipolar = Bipolaridade


O Transtorno Afetivo Bipolar era denominado até bem pouco tempo de Psicose Maníaco-Depressiva (terrível, não?). Esse nome foi abandonado principalmente porque este transtorno não apresenta necessariamente sintomas psicóticos, na verdade, na maioria das vezes esses sintomas não aparecem. Os transtornos afetivos não estão com sua classificação terminada. Provavelmente nos próximos anos surgirão novos subtipos de transtornos afetivos, melhorando a precisão dos diagnósticos. Por enquanto basta-nos compreender o que vem a ser o transtorno bipolar. Com a mudança de nome esse transtorno deixou de ser considerado uma perturbação psicótica para ser considerado uma perturbação afetiva.

A alternância de estados depressivos com maníacos é a tônica dessa patologia. Muitas vezes o diagnóstico correto só será feito depois de muitos anos. Uma pessoa que tenha uma fase depressiva, receba o diagnóstico de depressão e dez anos depois apresente um episódio maníaco tem na verdade o transtorno bipolar, mas até que a mania surgisse não era possível conhecer diagnóstico verdadeiro.


O termo mania é popularmente entendido como tendência a fazer várias vezes a mesma coisa, porém mania em psiquiatria significa um estado exaltado de humor.

A depressão do transtorno bipolar é igual a depressão recorrente que só se apresenta como depressão, mas uma pessoa deprimida do transtorno bipolar não recebe o mesmo tratamento do paciente com depressão pura.